Porque a língua portuguesa é tão complicada?


A língua portuguesa é uma das línguas mais difíceis de escrever do mundo! Agora nos resta a duvida para que tantas regras de ortografia se dificilmente utilizaremos todas as regras??? Muitas pessoas acham que a regra de português é mais importantes que o senso critica da pessoa que faz algum artigo, se até os principais jornais e revistas erram na língua portuguesa (e olha que muitos deles passam pela aprovação de pessoas que realmente entendem das regras de português), ta certos que existem alguns erros que são até grotesco em partes, ai vem alguns que criticam as suas idéias falando da ortografia e esquecem do foco principal da mensagem do texto, será que a falta de senso critico faz só analisar o texto sem saber a real mensagem dele?

Muitos que criticam falam que esta errado o texto, mas não aponta a falha em si, será que quem tenta corrigir algum texto não sabe o que precisa corrigir?(existem exceções), no Brasil existe um movimento que é formado por alguns lingüistas (obs. em outros paises também existem movimentos iguais) que valorizam mais a fala popular do que as normas cultas da língua portuguesa, o texto abaixo retirado do site wikipedia diz um comentário a respeito sobre a fala versus escrita.

Fala versus escrita
Alguns lingüistas contemporâneos acham que a fala é um objeto de estudo mais importante do que a escrita. Talvez porque ela seja uma característica universal dos seres humanos, e a escrita não (pois existem muitas culturas que não possuem a escrita). O fato de as pessoas aprenderem a falar e a processar a linguagem oral mais facilmente e mais precocemente do que a linguagem escrita também é outro fator. acham que o cérebro tem um “módulo de linguagem” inato e que podemos obter conhecimento sobre ele estudando mais a fala que a escrita.
A escrita também é muito estudada e novos meios de estudá-la são constantemente criados. Por exemplo, na intersecção do corpus linguístico e da linguística computacional, os modelos computadorizados são usados para estudar milhares de exemplos da língua escrita do Wall Street Journal, por exemplo. Bases de dados semelhantes sobre a fala já existem, um dos destaques é o Child Language Data Exchange System[3] ou, em tradução livre, “Sistema de Intercâmbio de Dados da Linguagem Infantil”.(…)

Será que algum dia a língua portuguesa se tornara mais simples? A língua inglesa é mais simples que a nacional e não existe tantas regras quanto o que ha aqui  no Brasil (no caso a língua portuguesa), e é bem provável que não simplifiquem a lingua portuguesa já que o país não gosta de simplificar as coisas um grande exemplo é a constituição federal e também os impostos que pagamos, não há necessidade de entender 100% é só cumprir, e assim vai ficar também como nós meros cidadãos brasileiros nunca entenderão e usarão todas as regras de portugues, mas nos ajudara  a diferenciar  e para que acharemos superiores a alguns brasileiros só pelo fato de saber mais regras de uma linguagem que nem é usado mundialmente, só é bem entendida e usada(90% bem) em uma elite (raras exceções às outras classes sociais), já que é quase impossível simplificar a língua portuguesa , e quem sabe um dia iremos torcer  para que  a fala e a expressão envolvida na mensagem seja mais importante que as regras ortográficas!

Obs. Não usei muitas das regras de português e isto é uma critica sobre a língua portuguesa.
fonte da wikipedia:http://pt.wikipedia.org/wiki/Linguística

About these ads
Esse post foi publicado em Sem categoria. Bookmark o link permanente.

32 respostas para Porque a língua portuguesa é tão complicada?

  1. porrafonseca disse:

    É, realmente, a língua portuguesa é uma das línguas mais complexas. Mas acho que alguns erros do português ainda são relevantes, uma vez dito que é uma das línguas mais difíceis de se seguir algumas regras. Na minha opinião esses erros freqüentes da norma culta estão mais evidentes nos dias atuais, lembro que, em antigos jornais era bem mais difícil de se encontrar alguns erros. Deve ser pela queda da qualidade (em alguns casos, ausência dela) da educação. Boa matéria.

    Visitem meu blog de tirinhas:

    http://porrafonseca.wordpress.com/

    • Os erros na língua sempre existiram e não são mais intensos agora. Os linguistas pesquisam, os letrados sabem, não se preocupem, típica birra de quem ainda não relativamente se encantou com os poderes da língua, nada de anormal. Os erros e abreviações atuais, internetês são exemplos, serão mais tarde os acertos, a norma padrão culta. Essa projeção fundamenta-se com o aparente movimento das línguas. Ok!

  2. Hector disse:

    Você está certo, há muitas regras na língua portuguesa, entretanto, você não se dá tão mal assim. Na verdade, seu desempenho em ortografia pode ser considerado acima do nível médio. No entanto, pode-se observar que você não tem a mesma facilidade no que diz respeito à pontuação. Pontos e vírgulas do seu texto são colocados aleatoriamente. Note o último parágrafo do seu post: Nele você usou apenas um ponto, logo na primeira linha. As onze linhas restantes estão salpicadas de vírgulas, colocadas nos lugares errados. Por esse motivo o texto de sua lavra resultou muito confuso.
    Para terminar, sinta-se livre para suprimir meu comentário. Ele se destina a você, não a seus leitores e tem o caráter de uma crítica amigável.
    Abraço.

  3. Twilight Haters disse:

    Olha…

    Eu cursei Letras, falo e escrevo satisfatoriamente usando a “norma culta”… mas, pra falar a verdade, não sei e nem me importo com muitas e muitas regras.

    Sou apaixonada pelo idioma e, por isso, acho completamente desnecessário isso de querer normatizar tudo. Tira toda a “espontaneidade linguística” que é a graça da nossa e de qualquer outra língua. Independente de ela ficar mais simples um dia ou não, o que falta é a parte “elitizada” dos falantes entender que tudo é uma questão de adequação e norma culta, felizmente, é adequada só pra uma situação ou outra.

    Mas é mais fácil a gente sair falando inglês do que os new-Pasquale (principalmente de internet) aceitarem isso – até porque a escola nem ensina e faz a lavagem cerebral de que o padrão é o correto.

    Ana

    • Hector disse:

      @Twilight Haters: Você “”fala e escreve satisfatoriamente ‘usando a norma culta’ ” mas desconhece e não dá bola às regras. Sei! Gostaria de saber como você consegue isso, seria através de clarividência ou intuição, talvez? Não diga que isso se deve ao seu diploma acadêmico, pela forma como você redige pode-se notar a qualidade do ensino que você teve. De mais a mais, como diz o velho ditado: “Diploma nunca encurtou as orelhas de ninguém”.

  4. Lucas, o inglês e português tem origens diversas e não dá para comparar simplificação de constituição com simplificação de língua. O fato do inglês ser simples é exceção, e não regra entre as principais línguas do mundo. Veja por exemplo o caso de outras tão ou mais ‘complicadas’ que a nossa, como por exemplo as línguas germânicas, que tem casos e declinações e não abrem mão disso.

    • Marcos disse:

      Quanto às línguas germânicas, discorro com conhecimento de causa apenas sobre o alemão, idioma que aprendi durante os quatro anos que vivi na Alemanha, de abril de 1995 a maio de 1999. Na verdade, o alemão possui apenas três declinações — a forte, a fraca e a mista –, com quatro casos cada uma: o nominativo (q

  5. Douglas disse:

    olha Português não é de Deus
    sou testemunha disto estudando pra concursos públicos vejo
    quantas regras e exceções principalmente exceções que existem na nossa língua
    e a falta de didática também se alguém pegar um livro de Português e estudar não vai conseguir por si só
    muito muito difícil mesmo

  6. Sabrina disse:

    Eu gostei da matéria, e concordo que a língua portuguesa é, de fato, uma das línguas mais difíceis do mundo.
    Porém, é impossível negar que existem contextos em que o falar culto – falar culto, veja bem, e não falar ‘difícil’ – é necessário. Infelizmente ainda há um grande preconceito acerca de toda essa história de falar certo ou errado. Aliás, somos todos cidadãos e é a coisa mais natural do mundo sentirmos preconceitos. Isso existe em toda e qualquer comunidade.
    O fato em questão é: Por quê a LP é tão complicada?
    A pergunta deveria ser formulada de outra maneira: Por quê a LP é ensinada de forma tão complicada nas escolas de ensino básico?
    O que, com certeza, complica a nossa língua é a tal da norma.
    Aquela bobagem toda de que o certo é falar O joão foi a escola e não O joão foi na escola deveria ser extinta das escolas. Simplesmente porque a criança decora o que deve ser e pronto. O problema é que ela não entende o porquê daquilo. E é obvio que não vai entender, mesmo que o professor explique milhares de vezes.
    O ensino de português deveria ser focado, muito mais do que já é, em leituras. Aí sim, o professor deveria, utilizando diversos gêneros textuais, estudar os casos ‘normativistas’, por assim dizer.
    A leitura é importantíssima para uma boa escrita.
    Retomando o que eu disse anteriormente, há contextos em que se pede o uso correto da língua. Uma entrevista de emprego (em relação à fala) e um blog (em relação à escrita), são grandes exemplos.
    Agora, o tal do falar difícil é algo totalmente pedante em uma conversa informal, até mesmo se você estiver na sala de aula de uma faculdade de letras discutindo um tema com o seu professor.
    Como você mesmo disse, a fala é totalmente diferente da escrita. E por isso ela é um novo objeto de estudos em muitos institutos. É algo muito recente, que vem sendo estudado mais e mais a cada dia.
    Na minha opinião, o mais importante para se falar não é saber as normas gramaticais, é ler. Ler proporciona o aprendizado de ‘regrinhas’ chatas indiretamente, além de trazer uma infinidade de assuntos para serem discutidos em uma roda de amigos, sem ser necessário o uso de todas essas ‘norminhas’.

  7. Ela é complicada porque os gramáticos, e acadêmicos, estão a serviço de uma elite econômica dependente e infecunda (em grande parte iletrada, ou analfabeta funcional, como se diz em linguagem politicamente correta), que procura se diferenciar do restante da população se colocando como culta e erudita.
    As firulas ortográficas, que necessitam de verdadeiros especialistas para conhecê-las, são mais um dos tantos modos de discriminar a massa do povão trabalhador, lhe imputando a qualificação de inculta, de modo a justificar a verdadeira escravidão assalariada em que vive sob o pretexto de ser gente de segunda categoria (ralé em linguagem politicamente incorreta). Ao mesmo tempo glamouriza um conhecimento fútil e sem função lógica para dar ares de erudição a esta elite.
    Vejam, se quiserem, sobre o assunto o meu artigo http://upassos.wordpress.com/2008/04/14/revolucao-ortografica-da-lingua-portuguesa/

    • Boas palavras, não digo que se resume a isso, com certeza o Senhor sabe que não, pois 50% ou mais das regrinhas são para definitivamente auxiliar o leitor na compreensão ou decodificação real dos signos.

  8. ivo disse:

    A lingua e so um reflexo do seu povo.
    Acredito que nao exista nenhum povo mais complicado com COISAS SIMPLES do que os portugueses e seus desendentes.
    Prova disto e a burocracia .Temos cartorios para todos os gostos,alvaras,licenças,carimbos,certidoes,despachantes,etc.
    Nunca vamos simplificar isto porque esta no DNA do brasileiro (portugues)

  9. royama13 disse:

    Engraçado, concordo com você sobre a dificuldade da língua portuguesa e confesso que a notícia de uma reforma ortográfica a fim de unificar essa língua tão complexa foi um choque. Mas, seu texto explica implicitamente a necessidade dessas regras. Os erros propositais que deixou no texto confundem e atrapalham a leitura.
    Unificar a língua e nos obrigar a readaptar algumas normas aprendidas a custo na escola é tolice, porém devemos concordar que as desgastantes e intermináveis regras, se utilizadas de forma correta e adequadas as mudanças da época, facilitam a comunicação.

  10. lol disse:

    complicada é teu c*,seu fdp
    eu aprendi lingua portuguesa com 4 anos,ler e escrever

  11. iRodrigo disse:

    É dificil mesmo, concordo com você, mas…
    Entrem no meu blog aí: http://iphoneappleapplications.wordpress.com/

  12. Marcellus disse:

    Gostei da matéria, mas devo concordar com Egnaldo Oliveira. A língua inglesa é uma exceção a regra, tente aprender islandês. Para completar, fazer uma reforma ortográfica na língua portuguesa é complexo e envolve muitos países.

    Veja o exemplo da última reforma ortográfica, teve o Acordo Ortográfico aprovado em 1990 e só começou a vigorar a partir do ano passado. Além do Brasil, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe, Timor Leste e Macau (região administrativa especial da China que também fala o português) assinaram o acordo. O objetivo dos governos com as mudanças foi simplificar e uniformizar as grafias da língua portuguesa, ampliando a cooperação comercial e social entre os países.

    Em resumo, não vejo necessidade de uma reforma que simplifique de tal forma que se aproxime da simplicidade da língua inglesa. Penso que nós devemos exigir do nosso governo um ensino de qualidade.

  13. Dyogo disse:

    Olá, boa tarde!

    Então, primeiramente, gostaria de desmistificar esse essa ideia de que “a língua portuguesa é complicada”. Para isso, primeiro é necessário que as pessoas entendam que o conteúdo de um livro de gramática NÃO É a língua portuguesa. Uma língua é algo vivo, algo que precede o falante e que não está sob o seu controle. Assim, não são pessoas como Pasquale Cipro Neto, Evanildo Bechara, Celso Cunha ou quaisquer outros gramáticos que determinam o que “é certo” e o que “é errado” em uma língua. Ninguém é dono da língua, então ninguém pode dizer o que pode e o que não pode ocorrer dentro dela.

    Dito isso, o segundo passo é compreender que o português não é um só. Imaginem vocês um habitante do interior do Amazonas falando com um do interior de São Paulo. O linguajar dessas duas pessoas seria igual? Obviamente que não. Mas ambas não falam português? Sim. Então como julgar qual fala mais português ou qual fala o português mais correto? Isso é impossível, pois as duas pessoas falam o português, só que cada uma fala o dialeto adaptdo a sua região. Além disso, dentro de uma mesma região, temos diferenças entre classes sociais, entre “grupos” sociais (funkeiros, pagodeiros, roqueiros, emos, patricinhas, bandidos), entre idades (você fala como seu avô?) e até entre sexo (homens, mulheres, gays), entre outras. O português são vários, ele é a soma de todas as variações existentes no Brasil, desde o dialeto de um habitante do interior do nordeste ao socioleto de um indivíduo pertencente a uma camada menos prestigiada da sociedade. Aquilo que consta nos compêndios gramaticais nada mais é que uma escolha de uma dessas variações, considerada a mais neutra e por isso passível de ser aplicada em todo o território nacional. É por isso que ela é que deve ser aplicada nos documentos oficiais do governo federal e nos meios de comunicação em massa, mas nada diz que ela “é mais certa” que as outras. Inclusive, julgar uma pessoa pelo seu modo de fala é tão preconceituoso quanto julgá-la pela sua cor, credo ou opção sexual, o problema é que se alguém chama outro de “preto” ele vai preso enquadrado em crime inafiançável, mas se fala que “fulano é burro, pois nem sabe falar português direito”, aí é motivo de risada… Entendam que as regras gramaticais são abstrações, portanto, não existe ninguém que fale como a gramática determina, nem mesmo Machado de Assis ou o presidente da ABL.

    O terceiro passo é saber que a língua não é imutável. O que é tido como “certo” hoje pode ter sido considerado um “erro” antes e vice-versa. A língua varia tão rapidamente, que pessoas de gerações diferentes convivem com um linguajar diferente. Falar diferentemente da sua geração provoca é considerado muitas vezes até cômico, ou será que ninguém nunca riu de pessoas idosas falando gírias atuais ou simplesmente falando como jovens, ou esses jovens falando “supimpa” ou outras gírias. Então, se lembrarmos que existem registros do português desde o século XII, é de se imaginar que a língua falada naquela época, com suas regras gramaticais, é BEM diferente da falada hoje. Eu desafio um leigo no assunto a tentar ler “Os Lusíadas” no português original da obra. Aliás, nessa obra, considerada como a grande epopeia de língua portuguesa, encontramos palavras como “frecha”, “fror (flor)”, “semper”(sempre) e muitas outras. Então como falar que fulano é burro porque fala “estrupo”? Alguém aí sabia que esse fenômeno tem nome? É chamado de rotação. É o mesmo que ocorreu em “semper”, o qual hoje todo mundo fala “sempre” e ninguém é chamada de burro… O que hoje é julgado como língua de ignorantes, amanhã pode estar dentro de uma gramática como regra. Há que se entender que a língua escrita varia muito mais vagarosamente que a língua falada, pois enquanto uma é precedida de pensamento, rascunho e tempo, a outra é dinâmica, necessitando que o falante se utilize de “atalhos” para acelerar seu discurso. É por isso que palavras diminuem (vossa mercê > você > cê e é por isso que não falamos como escrevemos (alguém aí pronuncia o “r” final dos verbos? Vou comê, Vou bebê, Vou dormí). Muitos linguistas chamam isso de “Princípio da Economicidade”, em que o falante tende a procurar meios de facilitar a pronúncia de sua própria língua.

    Muito mais elaborada do que o mostrado na wikipédia, a Linguística é uma ciência ampla, com várias ramificações e estudos científicos avançados, O problema é que ninguém sabe disso, então qualquer pessoas se julga apta a discutir sobre língua portuguesa e línguas quaisquer como se fosse especialista. Dificilmente vemos pessoas discutindo sobre as imprecisões das fórmulas físicas ou das impropriedades dos conceitos químicos, mas todo mundo é conhcedor o suficiente quando o assunto é língua portuguesa. Ora pessoal, mais uma vez eu digo, GRAMÁTICA NÃO É PORTUGUÊS! Aqueles que estão estudando essa matéria no colégio, encarem-na como outra disciplina que vocês precisam ter domínio, os que estão estudando pra concurso, encarem-na como mais uma legislação a ser aprendida, agora, para os que não precisam nem de um, nem de outro, então esqueçam aquelas milhares de nomenclaturas, regras, exceções e pegadinhas, concentrem-se em falar e ser entendidos, pronto! Agora, nunca esqueçam que na sociedade de hoje, o domínio da norma padrão é extremamente necessário para quem quer ascender socialmente, pois ela é necessária em comunicações oficias, como documentos, palestras, entrevistas de emprego e tudo o mais. Diferentemente do que muitos dizem dos linguistas, nós não incentivamos o “oba oba” da língua, em que tudo é permitido. Não, nós simplesmente explicamos que existem inúmeras variedades de qualquer língua, e todas elas possuem sua gramática própria. O domínio da norma padrão é sim necessário, mas essa variedade do português não pode ser julgada “melhor” que outras. O falante precisa entender que o seu português é tão correto quanto qualquer outro, mas, quando o ambiente em que ele se encontra for mais monitorado, quando for preciso um discurso mais neutro e oficial, então ele precisa dominar a norma padrão. Saber falar bem o português não é falar como uma gramática ambulante o tempo todo, mas sim saber adequar sua fala ao ambiente que o cerca. Afinal, falar “Dá-me uma cerveja, por obséquio” no bar não pega nada bem né…

    Enfim, isso que eu disse acima, apesar de agora eu achar que ficou um pouco grande, não é nada perto do que realmente existe sobre sociolinguística e linguística em geral. O que eu coloquei aqui foi uma maneira grossa de tentar explicar um pouco sobre a ciência da linguagem. Para aqueles que tiveram coragem de ler até aqui, fica a dica de ler o livro “Preconceito Linguístico: o que é e como se faz” de Marcos Bagno, é um excelente início para quem se interessou pelo assunto. No mais, esqueçam essa bobagem de “português difícil”, difícil mesmo é gramática,o português nós falamos desde pequenininhos e nunca tivemos problemas, hehehe… Espero ter ajudado!

    “Verba volant, scripta manent”

    • Ta aí, um ótimo acadêmico e grande representante dos alunos do curso de Letras – Português. Valeu, mano, falou e disse, issa i. Se já tiver o seu título, títulos, perdoe minhas palavras, mas parabéns de qualquer forma.

  14. Renan disse:

    Hm, não sei não, o francês deve tá pau a pau. Ô linguinha cheia de graça também viu.

  15. ze disse:

    simplesmente, pq essa grande quantidade de regras, foram inventadas por viados vagabundos que nao tinham mais oque fazer. -.-’

  16. Pingback: ESCREVER CERTO PRA QUÊ? TENHO LEITORES. « blog do mm chaves

  17. helvecio disse:

    Isso é papo e lenda urbana de professor de protuguês para impor o terror a seus alunos.
    Vai aprender russo, mandarim, japonês, vietnamita ( tem 32 vogais!!!), sem contar os sons inexistentes e onde você põe a língua os dentes,fecha e abre a boca com as posições mais estranhas. Pare de repercutir essa bobagem!!

  18. erica disse:

    Parabéns ao Dyogo que fez um comentário completo, esclarecedor e, acima de tudo, lindo aos olhos de qualquer pessoa apaixonada pela língua brasileira. :)
    E realmente Lucas, a língua portuguesa é mesmo muito complicada, acima de tudo porque não é a nossa língua. Falamos aqui um português brasileiro que, em muitos aspectos, chega a ser oposto ao português europeu. Perceba como em nossa fala predominam as vogais e na deles as consoantes, por exemplo.
    A “complicação” toda está nessa idéia de tratar as duas línguas como uma coisa só, pasqualizando o ensino nas escolas e as cobranças nesse sentido de um modo geral. Seguimos regras que não valem mais ao nosso idioma, visto que não foram criadas com base nele! Além disso, não existe a possibilidade da criação de regras que possa seguir as mudanças da língua com a mesma rapidez com que elas acontecem.
    O que nos resta é torcer para que muitos Dyogos apareçam por aí. E que algum deles possa exterminar o prof° Pasquale, a Reforma Ortográfica, as chatíssimas e super antigas normas, etc.

  19. joao lopes disse:

    A língua portuguesa serviu para escravizar aqueles que mal sabiam falar e duma maneira subtil com a crítica de (rebaixamento) ” não é assim que se diz é assim acabavam por afastar a mensagem.
    A política da democracia foi sempre assim e será sempre assim pobre daquele que se acredita nela..

  20. rildo disse:

    Uma certa senhora,polonesa,doutourou-se em língua portuguesa em Portugal.Atualmente,ela preconiza o ensino do português europeu na Polônia.Ao ser entrevistada,afirmou que é mais fácil aos poloneses aprenderem francês e espanhol do que português.Ela afirmou que a sintaxe portuguesa é difícil.Entretanto,é real o fato de que há dificuldades indiscutíveis no português,as quais,todavia a meu ver não representam barreiras intransponíveis para aqueles que realmente se interessam em aprender o idioma nacional.As peculiaridades de cada língua são o diferencial para reconstrução do pensamento e da comunicação em cada substrato lingüístico.O importante é mantermos o padrão da língua culta sem relegar a segundo plano a língua deliciosa falada pelo povo.

  21. Raphael disse:

    O preconceito é a raiz de toda essa discussão;pois nem a pessoa formada em letras fala corretamente.Saber ler e escrever é vital para todos,mais acho desnecessário querer falar ”difícil”;mas falar de um modo que o outro entenda sim.Isso se aplica também a escrita,sendo legível e correta para mim isso é o que realmente importa;agora julgar uma pessoa pela seu modo de falar isso e absurdo.Antes corrigir do que discriminar,pois o que importa é a pessoa em si não seu modo de falar.Por exemplo:seu pai é analfabeto;deixará de ama-lo por causa disso?
    Então considere ao próximo como fosse seu pai e não seja preconceituoso mas sim imparcial.

  22. Ricardo disse:

    a língua portuguesa é muito complicada e cheia de regras desnecessárias.eu se pudesse não falaria português, pois acho uma língua complicada e fraca, pois vive de legislações e regulamentos para sobreviver. o correto é que deveria haver um plebiscito para que o povo brasileiro decidice qual deveria ser o idioma oficial.

  23. Ana Julia disse:

    O que faz a lingua portuguesa a ser tão forte?

  24. Enivaldo Duarte Manoel disse:

    eu vivo em Portugal e os emigrantes brasileiros são muitos criticados aqui por falar um pouco errado nosso lingua portuguesa brasileira.

  25. PORTUGUÊS BOM DE FALAR
    E DIFÍCIL DE ESCREVER

    A vizinha às vezes diz
    meu marido é um “cachorro”,
    porém não sabe que o “chorro”
    é com “ch” ou “x”,
    inda diz: fiz porque quis,
    mas esse “quis” de querer
    ela na sabe dizer
    se é “s” ou “z” pra findar
    - Português bom de falar
    e difícil de escrever.

    Se alguém lhe disser “porque”
    na vida vive feliz
    esse “porquê” que ele diz
    pronuncia mas não vê,
    se tem acento no “quê”
    ele nunca vai saber
    muito pior conhecer
    se precisa separar
    - Português bom de falar
    e difícil de escrever.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s